segunda-feira, 1 de Outubro de 2007

PÍLULA DO DIA SEGUINTE, EFEITOS SECUNDÁRIOS E NADA AGRADÁVEIS



Algumas jovens recorrem à pílula do dia seguinte mais vezes que o recomendável, sem ter a noção que não é um método anticoncepcional normal, mas sim um contraceptivo que deve ser tomado só em caso de emergência.


«A pílula do dia seguinte é um método anticoncepcional que interfere na ovulação, na fecundação e no revestimento interno do útero (endométrio), criando um ambiente impróprio para a implantação do óvulo fecundado, consoante a fase do ciclo em que é tomada», esclarece a Dr.ª Rosalina Ramos, médica de família do Centro de Saúde de S. João.


Esta pílula, que se encontra à venda nas farmácias desde o ano 2000, é composta por doses elevadas de progestagénio (levonorgestrel) isolado ou associado a estrogénio (etinilestradiol). De notar que os progestagénios isolados são mais eficientes e causam menos efeitos colaterais, como náuseas, do que a associação de hormonas.


A médica alerta, também, para o facto de, na maioria dos casos, entre três e oito dias após a toma, ser esperada uma perda de sangue.«A não ocorrência dessa perda, após três semanas, pode ser indício de gravidez», afirma a especialista, acrescentando:«A anticoncepção de emergência não tem qualquer tipo de efeito sobre uma gravidez já instalada.»


Quando deve ser utilizada?


A pílula do dia seguinte ou contracepção de emergência deve ser utilizada para prevenir a gravidez após uma relação sexual desprotegida ou mal protegida. Por exemplo, quando esta ocorre durante o período fértil, nos casos em que houve um esquecimento na toma da pílula anticoncepcional normal ou em caso de ruptura do preservativo.«O chamado sexo casual ou a ruptura acidental do preservativo estão entre as principais circunstâncias que justificam a sua aplicação, mas é usada também em situações de violação ou abuso sexual», explica Rosalina Ramos.


A pílula do dia seguinte deve ser tomada até 72 horas depois da relação não protegida.É também necessário que a mulher tenha consciência de que podem surgir efeitos secundários associados à toma deste contraceptivo. Os principais efeitos são cefaleias, náuseas e vómitos. Mas «também é comum haver irregularidade na próxima menstruação», refere a médica.


Recomenda-se, ainda, que mulheres com factores de risco tromboembólicos pessoais ou familiares evitem a ingestão deste tipo de produto, ainda que os riscos de complicações vasculares associados à pílula do dia seguinte estejam mal avaliados.A procura da pílula do dia seguinte tem vindo a aumentar significativamente desde que foi introduzida no mercado.


Hoje, as jovens recorrem muito a este tipo de pílula, «constituindo mesmo, por vezes, alguma irresponsabilidade na utilização de métodos mais seguros e uma facilitação nas relações ocasionais», refere a especialista.«No caso de utilização recorrente da pílula de emergência, as altas dosagens de hormonas podem causar retenção de líquidos, tensão alta, náuseas, tromboembolismo e desequilíbrio hormonal, constituindo uma grave agressão ao organismo», sustenta Rosalina Ramos.

Não à ANOREXIA


O que é?


Essencialmente é o comportamento persistente que uma pessoa apresenta em manter seu peso corporal abaixo dos níveis esperados para sua estatura, juntamente a uma percepção distorcida quanto ao seu próprio corpo, que leva o paciente a ver-se como "gordo". Apesar das pessoas em volta notarem que o paciente está abaixo do peso, que está magro ou muito magro, o paciente insiste em negar, em emagrecer e perder mais peso. O funcionamento mental de uma forma geral está preservado, exceto quanto a imagem que tem de si mesmo e o comportamento irracional de emagrecimento.O paciente anorético costuma usar meios pouco usuais para emagrecer. Além da dieta é capaz de submeter-se a exercícios físicos intensos, induzir o vômito, jejuar, tomar diuréticos e usar laxantes. Aos olhos de quem não conhece o problema é estranho como alguém "normal" pode considerar-se acima do peso estando muito abaixo. Não há explicação para o fenômeno mas deve ser levado muito a sério pois 10% dos casos que requerem internação para tratamento (em hospital geral) morrem por inanição, suicídio ou desequilíbrio dos componentes sanguíneos.


Sobre quem a anorexia costuma incidir?


As mulheres são largamente mais acometidas pela anorexia, entre 90 e 95% dos casos são mulheres. A faixa etária mais comum é a dos adultos jovens e adolescentes podendo atingir até a infância, o que é bem menos comum. A anorexia é especialmente mais grave na fase de crescimento porque pode comprometer o ganho esperado para a pessoa, resultando numa estatura menor do que a que seria alcançada caso não houvesse anorexia. Na fase de crescimento há uma necessidade maior de ganho calórico: se isso não é obtido a pessoa cresce menos do que cresceria com a alimentação normal. Caso o episódio dure poucos meses o crescimento pode ser compensado. Sendo muito prolongado impedirá o alcance da altura geneticamente determinada. Na população geral a anorexia atinge aproximadamente 0,5%, mas suspeita-se que nos últimos anos o número de casos de anorexia venha aumentando. Ainda é cedo para se afirmar que isto se deva ao modelo de mulher magra como o mais atraente, divulgado pela mídia, esta hipótese está sendo extensivamente pesquisada. Para se confirmar se a incidência está crescendo são necessários anos de estudo e acompanhamento da incidência, o que significa um procedimento caro e demorado. Só depois de se confirmar que o índice de anorexia está aumentando é que se poderá pesquisar as possíveis causas envolvidas. Até bem pouco tempo acreditava-se que a anorexia acontecia mais nas sociedades industrializadas. Na verdade houve falta de estudos nas sociedades em desenvolvimento. Os primeiros estudos nesse sentido começaram a ser feitos recentemente e constatou-se que a anorexia está presente também nas populações desfavorecidas e isoladas das propagandas do corpo magro.

Comentário:

A busca insaciável pela imagem, corpo perfeito, beleza e afirmação perante a sociedade leva por vezes a que os nossos jovens se condenem involuntáriamente à morte.

Casos destes são vistos essencialmente em jovens do sexo feminino que têm o sonho, ou não de se tornarem modelos profissionais. O míto de beleza corrente no mundo da moda, é ser-se extremamente magro, dai várias jovens descontrolam-se acabando por ficarem doentes, e não perfeitas.

Felizmente, foi proibido contratarem modelos extremamente magras, pena terem optado por este sistema depois de muitas jovens terem morrido.

Estamos no século XXI, achamos nós que magreza não é sinónimo de beleza.

segunda-feira, 13 de Agosto de 2007

Aviso Importante....




Cerca de seis mulheres, por semana,são vítimas de crimes contra a vida.




Se é vitima, não se cale!


Denuncie...